BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2016
7 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

sábado, julho 13, 2013

Se eu fosse você> Estímulos paternais e literários > 13/07/13


Livro aqui:

Hora de dormir. Papai acompanha Daisy até a cama e diz: 
"Se eu fosse você, me aconchegava e dormia". 
Mas Daisy não está muito disposta a ir se deitar, como ele sugere, e diz: "Só que você não é eu"... 
Aí começa um jogo de imaginação entre Daisy e o pai em torno da ideia do "se eu fosse você".
A primeira coisa que Daisy faz no papel de "papai" é vestir sua "filhinha" num tutu cor-de-rosa - e assim "ela" ficará vestida ao longo de todo o livro: na visita ao zoológico, brincando no parquinho, passeando de "cadeiracar", comendo papinha, tomando banho...
As ilustrações inconfundíveis de Babette Cole e a capa espelhada fazem deste livro um presente especial.
 Divulgação

Da minha praia até o Japão

Quando eu era menino, o meu pai cavava um buraco maior que a praia, para a gente caber dentro e chegar até o Japão. 
As pessoas me diziam que o Japão ficava do outro lado do mundo. 
E eu queria muito ver o mundo de lado.
 Cavar para chegar lá era tudo o que eu mais queria na vida. 
Meu pai cavava com aquela mão, tão funda, tão esticada, tão grande que cabia o mar nela. E eu pensava que, um dia, também queria ser cavador, assim que nem ele.



Movidos pelo desejo de serem pais presentes, uma nova geração de homens têm tentado cada vez mais participar do cotidiano dos seus filhos, em casa, na escola, no dia a dia em geral. Mas, apesar da intenção, e muitas vezes do apoio feminino, a grande maioria desses homens ainda passa mais tempo em frente ao computador, falando ao celular, frequentando uma academia de ginástica, ou se estressando com a família, numa desenfreada agenda de passeios e atividades com as crianças, nos finais de semana. Então, na correria da rotina, para compensar ausências, os pais acabam carecendo da lucidez necessária para conviver com os filhos, sem tanta culpa, sem tanta pressa, sem tanta cobrança, sem tanta ansiedade; e olhar mais nos olhos das crianças do que no relógio.

“(...) aquele homem e aquele menino, juntos, descobriam castelos perdidos dentro de conchas quebradas, achavam tesouros em pinça de caranguejo, encostavam o ouvido na areia, para escutar os passos do vento, desciam nos porões mais escuros, para catar vontade amanhecida, empinavam pipa só para aterrissar, passavam a mão na espuma, para dar clareza no sonho dos peixes...”.    
Numa época em que nos dedicamos a cavar oportunidades, preocupados mais com resultados do que com o percurso, e investimos tudo no futuro dos nossos filhos, para que um dia eles cheguem a algum lugar, Da minha praia até o Japão mostra que, quando nos disponibilizamos para a felicidade, hoje, a partir das coisas aparentemente mais simples, no fundo, estamos fazendo um investimento que rende a vida toda.


Sugestão de atividade
Estimulando vínculos
Trabalhar com as crianças questões como participar com alegria, interesse e entusiasmo das atividades, construir e seguir as combinações da turma e movimentar-se com maior segurança após conhecer os ambientes e as pessoas da Escola. 
Após uma hora do conto, os estudantes tiveram que encontrar um mapa dentro de uma garrafa PET, assim começaram aventuras e aprendizados em diferentes setores até o término da leitura do livro. Por fim, todos foram convidados para uma festa, onde puderam vestir acessórios que lembram praia ou o Japão. Neste momento, além da confraternização, eles também aprenderam mais sobre a cultura japonesa e como confeccionar origamis.



Escrito em primeira pessoa, o livro de Márcio Vassallo. " DA MINHA PRAIA
ATÉ O JAPÃO " emociona, porque é uma declaração de amor ao pai.
                             
                                     " AFINAL, O ABRAÇO DO MEU PAI,
                                        PARA MIM, SEMPRE FOI UMA
                                        RESPOSTA,  MESMO   QUANDO 
                                        EU   NÃO   PRECISAVA   FAZER
                                        NENHUMA PERGUNTA PARA ELE."

Nas memórias de infância, o narrador-personagem conta  que ele e o pai 
costumavam  cavar um buraco maior que a praia para chegar ao Japão.
Ali, eles viviam histórias fantásticas com monstros, castelos perdidos,
tesouros, porões escuros, missões secretas....

O autor sentia orgulho do pai, que via como  um herói.                                    

                                       " MAS ME DAVA GOSTO PENSAR
                                         NO QUE AS PESSOAS PENSAVAM,
                                         QUANDO PARAVAM PARA OLHAR
                                         A GENTE, QUANDO OLHAVAM UM
                                         MENINO E UM HOMEM, SEM PRESSA,
                                         SALVANDO A PRAIA DOS MONSTROS
                                         MAIS HORRÍVEIS E MAIS PERIGOSOS
                                         E MAIS ASSUSTADORES DE TODOS. "

Com linguagem poética, Márcio Vassallo, neste seu livro, resgata momentos
de encantamento e de aventura criados pela presença protetora e  amorosa 
do pai.






Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios