BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2016
7 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

segunda-feira, janeiro 14, 2013

Yrajang a canoa encantada> Estímulos literários indígenas > 14/01/13

Resultado de imagem para livro yrajang  a canoa encantada
Autor: Nancy Ventura / Ninete Aparecida
Por meio de suas lendas, o povo Kamayurá transmite seus valores de geração a geração e muitas são contadas e recontadas à beira da Lagoa Ipavu.
Cooperação, dedicação, amizade e respeito são alguns dos ensinamentos passados aos indiozinhos e que agora chegam até você de forma encantadora, com as belíssimas ilustrações e cores vibrantes da arte de Roberta Carvalho.Assunto: cultura indígena: a ética indígena de vida comunitária e de respeito à natureza.
Interdisciplinaridade: Ciências da Natureza, Estudos Sociais e Sociologia, Filosofia, História, Língua Portuguesa e Literatura, Geografia e Arte.
Transversalidade: meio ambiente, ética, cidadania, pluralidade cultural e temas locais.
Propostas: recriar a ilustração com colagens, ouvir músicas indígenas e desenvolver danças circulares.
Indicações:
- Séries iniciais do Ensino Fundamental
Sugestão de atividade:
Livro “Yrajang a canoa encantada” que lemos para a turminha de 5 a 7 anos.
"Um jovem índio chamado Ipavu fez com capricho uma canoa de um tronco de jatobá. Qual não foi sua surpresa quando na manhã em que ia pescar na lagoa a canoa apareceu andando e com dois olhos na proa. Apesar do susto, o corajoso índio subiu nela e desde esse dia não faltaram peixes para alimentar toda a aldeia. Porém, como era de se esperar, a canoa mágica despertou a cobiça do cunhado de Ipavu que tenta se apoderar dela. No final da história o índio invejoso será castigado exemplarmente."
Em seguida trabalhamos a construção de uma canoa que nos levasse para qualquer lugar mágico do planeta!
 E fora dele também!
Ana André, artista plástica, com quem dou esta aula em dupla e nossos peixinhos coloridos.

A Canoa Encantada
Foi de dentro do corpo do escuro, quando as chamas da fogueira se apagaram, que a voz do velho índio Kamaiura se levantou dizendo assim:
"Eu vou contar. Eu vou contar agora:
No meio do mato, no meio da noite escura, um pescador adormeceu dentro de sua canoa, junto ao pé de Jatobá que crescera belo e forte perto da lagoa. No meio de seu sono, ele sonhou que cortava a casca do Jatoba para fazer uma canoa.
Ele demorou alguns dias neste trabalho. Ao terminar de fazer a canoa sua mulher, que estava grávida, deu à luz um filho. Assim, com o filho recém-nascido, ele não pôde trabalhar e não pôde arrastar a canoa para dentro da água. Ela ficou ali, no meio do mato, junto ao pé de Jatobá.
Alguns dias depois, o pescador já podia trabalhar e voltou ao lugar onde tinha deixado a sua canoa. Para sua surpresa, ela não estava lá. Entristecido, ele sentou-se junto ao pé de Jatobá e ficou pensando nos peixes, nos bichos, nas plantas e nas coisas. De repente, ouviu um barulho e logo depois viu a canoa se arrastando no meio do mato. Ele levou um susto e pensou: 'Minha Canoa virou um bicho e já pode andar sozinha.' Ele se encheu de coragem e, um pouco desconfiado, entrou na canoa e disse: '- Você me leva para a lagoa?' A canoa começou a se arrastar e entrou na água. Os peixes começaram a pular para dentro dela e ela comeu todos eles. Em seguida, outros peixes pularam para o seu interior e ela deu esta segunda pescaria para o seu dono.
O pescador deixou a canoa junto ao pé de Jatobá e levou os peixes para casa. Sua mulher, seus filhos e seus amigos ficaram maravilhados, fizeram muitas perguntas, mas ele manteve o bicho-canoa em segredo.
Dias depois, ele voltou para pescar, mas não encontrou a canoa junto ao pé de Jatobá: ela estava viajando. Ele ficou impaciente, mas resolveu aguardar.
Algum tempo depois ela chegou, ele entrou nela e foram os dois para a lagoa. Tão logo entrou na água, os peixes novamente pularam para dentro da canoa. O pescador quis pegar todos os peixes para ele, mas quando começou a juntá-los foi engolido pela canoa, que estava muito zangada: os primeiros peixes deveriam ser sempre para ela - o pescador fora muito apressado e ganancioso.
Uma folha com formato de peixe caiu sobre o rosto do pescador. Ele despertou assustado e saiu correndo por esse mundo afora procurando a canoa que estava encantada."
Esta história foi escrita pelo poeta e museólogo Mário Chagas, especialmente para o Mingau Digital, recontada do folclore indígena brasileiro.
Outra versão
Um jovem do povo Kaiamurá construiu sua própria canoa. Um dia foi pescar, quando chegou ao rio não encontrou sua canoa entristeceu-se e pensativo imaginou o que ocorrera. Alguém havia roubado ou algum animal havia destruído a canoa.
De repente, ele ouviu um som vindo da mata, avistou uma canoa rastejando e notou que era a mesma canoa que havia construído. Deu para ela o nome de Igaranhã – que significa o jacaré- , pulou na canoa ordenando-lhe que entrasse na água. Quando Igaranhã deu um toque na água, cobriu-se dos peixes mais variados, de diversas cores, de vários tamanhos. Os primeiros peixes Igaranhã comeu, mas a maior parte ficou para o homem.
Quando chegou em casa, sua mulher não acreditou no que viu, ele disse apenas que encontrou o local ideal para pescar.
No dia seguinte, foi ao mesmo lugar e viu novamente a canoa rastejando em sua direção e mais uma vez Igaranhã entrou na água e cobriu-se de peixes, mas desta vez o homem rapidamente recolheu os peixes sem deixar alimento para Igaranhã.
Brava, ela acabou devorando o próprio dono.
http://www.ecast.com.br/lendas_indigenas_2011/3d_html/3d_henrique_gabriel.html
Vejam aqui o texto e uma interpretação:
http://pt.scribd.com/doc/65291798/Portugues-interpretacao-e-atividades-com-verbo

Atividades
AQUI



Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios