BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2016
7 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

sexta-feira, novembro 16, 2012

Faca sem ponta galinha sem pé>Estímulos literários> 16/11/12


Os irmãos Pedro e Joana viviam discutindo.
Um dia trocam de papéis – quem era menino vira menina e vice-versa.
Grande confusão à vista!

Imagem:
Livro


Eu também quero jogar

Pois eram dois irmãos: um menino, o Pedro. E uma menina, a Joana.
Eles viviam com os pais, seu Setúbal e dona Brites.
E os problemas que eles tinham não eram diferentes dos problemas de todos os irmãos.
Por exemplo...
Pedro pegava a bola par ir jogar futebol, lá vinha Joana:
- Eu também quero jogar!
Pedro danava:
- Onde é que já se viu mulher jogar futebol?
- Ué, toda hora eu vejo! Tem até jogo de artistas de televisão! E mesmo que não visse... Umavez é a primeira!
- Eu é que não vou levar você! O que é que meus amigos vão dizer?
- E eu estou ligando pro que os seus amigos vão dizer?
- Pois eu estou. Não levo e pronto!
Joana ficava furiosa, batia as portas, chutava o que encontrasse no chão, fazia cara feia.
Dona Brites ficava zangada:
- Que é isso, menina? Que comportamento! Menina tem que ser delicada, boazinha...
- Boazinha? Pois sim! – respondeu Joana de maus modos.
Ruth Rocha. Faca sem ponta, galinha sem pé. Rio de Janeiro.
Nova Fronteira, 1983.(Titulo adaptado para fins pedagógicos.)


Trabalhando com o texto
1- No texto Eu também quero jogar!, por que a autora Ruth Rocha escreve que “os problemas que eles tinham não eram diferentes dos problemas de todos os irmãos”?
2- Por que Pedro não queria que Joana jogasse futebol?
3- Releia, a seguir, o que Pedro disse a Joana.
- Eu é que não vou levar você! O que meus amigos vão dizer?
Na sua opinião, por que Pedro ficou preocupado com o que os amigos dele iriam dizer?
4- Releia o que dona Brites disse para Joana:
- Menina tem que ser delicada, boazinha...
a) Para dona Brites, o que é ser delicada e boazinha?
b) Você concorda com dona Brites? Por quê?
c) E Joana? Como reage à fala de dona Brites?
5- Entreviste um colega e escreva, em seguida, a resposta dele para estas perguntas.
a) Como você se sentiria se fosse impedido de entrar numa brincadeira? Por quê?
b) Pedro acha que jogar futebol é brincadeira para menino. Você concorda com isso? Por quê?
c) O que você acha de meninos brincarem com boneca?
d) Você costuma brincar com super-herói feitos de plástico? Quais?
e) Afinal, esses super-heróis são ou não são bonecos? Por quê? http://profhelena4e5ano.blogspot.com.br/2011/03/eu-tambem-quero-jogar.html


Gênero em pauta:
Panela lembra mulher?
Futebol é coisa de homem?


Compreender que as diferentes visões existentes na sociedade em relação aos papéis de homens e mulheres são flexíveis e mudam ao longo da história.
Duração das atividades
Aproximadamente 100 minutos; 2 (Duas) aulas
Estratégias e recursos da aula
As estratégias utilizadas serão:
- Imagens de vários objetos relacionados a atividades cotidianas do dia-a-dia;
- Aula interativa;
- Uso do Laboratório de Informática e/ou Sala de Vídeo.
Motivação
Sugerimos que o professor inicie estas aulas deverá mostrar mostrando aos alunos as figuras abaixo (Figs. 1, 2, 3, 4 e 5 ) perguntando se elas referem-se a atividades que são mais comuns aos homens ou às mulheres exercerem.
O intuito desta atividade é que as diferentes opiniões se manifestem, permitindo que as crianças expressem seus pontos de vista.






















O professor poderá ainda promover uma discussão com os alunos.
Para isso, abaixo sugerimos algumas questões norteadoras:
• É mais comum os homens ou as mulheres varrerem a casa? E trocar as fraldas de bebês?
• Em relação às mulheres, elas dirigem? Há piadinhas quanto a isso?
• Panela lembra mulher? Futebol é coisa de homem?
Independente da resposta dos alunos o professor deverá atuar como conciliador e facilitador do debate, porquanto os alunos podem manifestar opiniões divergentes.
O intuito desta atividade é fazê-los refletir sobre as questões de gênero.
Após isto, o professor deverá passar um vídeo (Fig. 6) com duração de 1 minuto intitulado: “Quem disse que as Mulheres não sabem jogar Futebol?”. Vídeo:
http://www.youtube.com/watchv=jt1W7Xmg50g&feature=PlayList&p=92472FC95B62D741&playnext=1&playnext_from=PL&index=27
Atividade 1
Em seguida, os alunos deverão escrever em grupo s - de quatro ou cinco integrantes, numa folha de papel pardo, as vantagens e desvantagens de pertencer ao seu gênero (sexo).
Após, o professor deverá solicitar às alunas, também em grupos, para listarem as vantagens e desvantagens de pertencer ao seu gênero (sexo).
Assim, o professor lerá com os alunos as características citadas, buscando a opinião dos mesmos, se concordam ou não, e o porquê.
 Busca-se, com esta atividade, aguçar o senso crítico dos alunos sobre os aspectos tratados.
Atividade 2
Após a atividade anterior, o professor solicitará que cada aluno leia um parágrafo do resumo do livro “Faca sem ponta, galinha sem pé” de Ruth Rocha (Figura 7), o qual segue abaixo.
A história narra a aventura de dois irmãos, Pedro e Joana, que trocam de sexo e aprendem a não serem preconceituosos.

Resumo do Texto: "Faca sem ponta, galinha sem pé"


Esta é a história de dois irmãos.
Com eles aconteceu uma coisa muito esquisita, muito rara e difícil de acreditar.
Pois eram dois irmãos: um menino, o Pedro. E uma menina a Joana.
Eles viviam com os pais, seu Setúbal e dona Brites.
E os problemas que eles tinham não eram diferentes dos problemas de todos os irmãos.
Por exemplo...
Pedro pegava a bola para ir jogar futebol, lá vinha Joana:
- Eu também quero jogar!
Pedro dizia:
- Onde é que já se viu mulher jogar futebol?
- Em todo lugar, respondia Joana
- Eu é que não vou levar você! O que é que meus amigos vão dizer?
- E Joana dizia: mas não eu estou ligando pro que os seus amigos vão dizer?
- Pois eu estou. Não levo e pronto!
Joana ficava furiosa, batia as portas, chutava o que encontrasse no chão, fazia cara feia.
Dona Brites ficava zangada:
- Que é isso, menina? Que comportamento! Menina tem que ser delicada, boazinha...
- Boazinha? Pois sim! - respondia Joana de maus modos.
Às vezes Pedro chegava da rua todo esfolado, chorando.
- Que é isso? - Espantava-se seu Setúbal. - O que foi que aconteceu?
- Foi o Carlão! Foi o besta do Carlão! Me pegou na esquina - choramingava Pedro.
Seu Setúbal ficava furioso:
- E você? O que foi que você fez? Por acaso fugiu? Filho meu não foge! Volte pra lá já e bata nele também. E vamos parar com essa choradeira!
Homem não chora!
Pedrinho dizia:
- Eu estou chorando é de raiva! É de ódio! Joana se metia :
- Homem é assim mesmo! Quando a menina chora é porque é mole, é boba, é covarde. Agora, homem quando chora é de ódio...
Pedro ficava furioso, queria bater na irmã.
Dona Brites entrava no meio:
- Que é isso, menino? Numa menina não se bate nem com uma flor...
Pedro ia embora, pisando duro:
- Só com um pedaço de pau...
E as brigas se repetiam sempre.
Quando Joana subia na árvore para apanhar goiaba, Pedro implicava:
- Mãe, olha a Joana empoleirada na árvore.
Parece um moleque!
- Moleque é o seu nariz! - gritava Joana. - Você toda hora está em cima de árvore, por que é que eu não posso?
- Não pode porque é mulher! Por isso é que não pode. E não adianta vir com conversa mole, não! Mulher é mulher, homem é homem!
Quando Pedro botava camisa nova e se olhava no espelho, Joana já implicava:
- Olha a mulherzinha! Como está vaidoso...
Ou então quando Pedro ficava comovido com alguma coisa, como filme triste, que tem menininha sozinha, sem ninguém para cuidar dela, Joana já começava a caçoar:
- Vai chorar, é? E agora é de ódio, é?
Mas nas outras coisas eles eram bem amigos:
Jogavam cartas, viam televisão juntos, iam ao cinema...
Um dia...
Tinha chovido muito e os dois vinham voltando da escola.
De repente, Pedro gritou:
- Olha só o arco-íris!
- É mesmo! - disse Joana. - Que grandão! Que bonito!
- Puxa! - espantou-se Pedro. - Parece que está pertinho! Vamos passar por baixo? Vamos!
Joana riu e falou:
- Tia Edith disse que se a gente passar por baixo do arco-íris, antes do meio-dia, homem vira mulher e mulher vira homem...
- Que besteira! - disse Pedro. - Quem é que acredita numa coisa dessas?
E os dois se deram as mãos e correram, correram, na direção do arco-íris. E de repente pararam espantados.
Eles estavam se sentindo esquisitíssimos!
- O que aconteceu? - perguntou Joana.
E a voz dela saiu diferente, parece que mais grossa...
- Sei lá! - disse Pedro.
Mas parou de pressa, porque ele estava falando direitinho como uma menina.
- Aconteceu comigo uma coisa muito estranha... - resmungou Joana.
- Comigo também... - reclamou Pedro.
E os dois se olharam muito espantados...
E correram para casa.
Vocês podem imaginar o reboliço que foi na casa deles quando contaram o que tinha acontecido.
No começo ninguém estava acreditando.
- Que brincadeira mais idiota! - falou seu Setúbal.
- Vamos parar com isso? - disse dona Brites.
Mas depois tiveram que se convencer...
E naquele dia, no jantar, ninguém brigou para saber se menina podia ou não podia fazer isso ou aquilo.
Afinal ninguém sabia direito quem era quem...
O pai e mãe de Joana e Pedro ficaram conversando até de madrugada.
- Acho melhor nem contarmos pra ninguém - dizia seu Setúbal.
- Mas como é que vai ser? - argumentava dona Brites.
- Todo mundo vai notar! E podem até pensar coisa pior...
- E o nome deles? - perguntou seu Setúbal.
- Como é que fica?
- É mesmo! - choramingou dona Brites. - A Joaninha, meu Deus, que tinha o nome da minha mãe. Que Deus a tenha em sua glória, agora vai ter que se chamar Joano! Joano, Setúbal! Isso é lá nome de gente? E o Pedro, que horror! Vai ter que se chamar Pêdra. Pode uma coisa dessas?
- E tem um outro problema em que estou pensando - disse seu Setúbal. - Está bem que a gente vista o Joano de homem... afinal as mulheres hoje em dia só querem se vestir de homem... mas vestir a Pêdra de mulher... não sei, não! E se ele, quer dizer, ela, virar homem outra vez?
- Ah, sei lá! - disse dona Brites. - Já nem sei o que pensar. Acho melhor a gente ir dormir...
No dia seguinte o problema da roupa foi resolvido com facilidade. Foi só vestir calça de brim nos dois, mais camiseta e tênis.
Joano e Pêdra estavam brincando e rindo, como se nada estivesse acontecido, disfarçando para que os pais não se preocupassem ainda mais do que já estavam preocupados. Mas assim que saíram de casa ficaram sérios. Eles não sabiam como é que iam fazer na escola.
Logo na esquina, Pedro, quer dizer Pêdra, que agora era menina, deu o maior chute numa tampinha de cerveja que estava no chão.
- Vamos parar com isso? - disse Joano. - Menina não faz essas coisas.
- E eu sou menina? - reclamou Pêdra.
- É, não é?
- Ah, mas eu não me sinto menina! Tenho vontade de chutar tampinha, de empinar papagaio, de
pular sela...
- Ué, eu também tinha vontade de fazer tudo isso e você dizia que menina não podia - reclamou Joano.
- Mas é que todo mundo diz isso - disse Pêdra. - que menina não joga futebol, que mulher é dentro de casa...
- Pois é, agora aguenta! Não pode, não pode, não pode...
- Ah, mas agora eu posso chorar à vontade, posso ter medo de escuro...
Quando tiver que ir buscar água de noite você é que tem que ir... e quando eu quiser ver novela ninguém vai me chatear...
E eles ficaram ali, uma porção de tempo, discutindo a situação.
De repente Pêdra lembrou-se de que precisava ir para o colégio.
- Sabe de uma coisa? - disse Joano. - Eu é que não vou para escola desse jeito ridículo.
- Não sei por que ridículo. Ridículo estou eu, aqui, virado em mulher.
- E você quer ir par a escola? - perguntou Joano.
- Eu não - respondeu Pêdra.
E sentou num murinho, muito desanimada.
Joano sentou também.
- Sabe de uma coisa? - disse Pêdra. - Nós temos é que encontrar o arco-íris pra passar por baixo outra vez.
- Mas não está nem chovendo - choramingou Joano, que agora era menino mas bem que estava com vontade de chorar...
- É, mas se a gente não procurar não vai encontrar. E se não encontrar vai ficar desse jeito o resto da vida!
Então Joano tomou uma decisão:
- Olha aqui. Eu vou mas não vou levar você, não! Vou é sozinho! Menina só serve pra atrapalhar.
Pêdra ficou danada da vida:
- Ah, é? Então vire-se! Eu também vou procurar sozinha e não quero conversa com você.
Vamos ver quem encontra primeiro.
E cada um foi para o seu lado, sem nem olhar para trás.
Os dois rodaram o dia inteirinho, mas não tinha caído nem uma chuvinha, de maneira que não havia jeito de encontrar o arco-íris. E no outro dia foi a mesma coisa, e no outro, e no outro.
E em casa as coisas estavam piorando cada vez mais. Um implicava com o outro, caçoava, proibia:
- Menino não pode!
- Menina não faz!
- Onde é que já se viu?
- Coisa mais feia!
- Vou contar pra mamãe!
Se o arco-íris não aparecesse logo...
Até que um dia eles acordaram e estava chovendo a maior chuva que já tinha visto.
Trovão, relâmpagos, água que não acabava mais.
Os dois ficaram torcendo para a chuva passar. E quando passou, saíram, como sempre um para cada lado, procurando o arco-íris.
Joano chegou para lá da escola, num lugar onde ele nunca tinha ido.
E já vinha voltando, desanimado, quando viu, bem na sua frente, o arco-íris.
Joano correu e passou por baixo.
Mas não aconteceu nada.
Joano continuava Joano...
Com Pêdra aconteceu mais ou menos a mesma coisa.
Andou, andou, até fora da cidade. E só quando vinha voltando é que encontrou o arco-íris, passou por baixo e nada!
Na porta de casa os dois se encontraram:
- Nada, hein? - perguntou Pêdra.
- Nadinha! - respondeu Joano.
- Que será que aconteceu? - disse um.
- Que será que não aconteceu? - disse o outro.
E os dois se sentaram - tão amigos! - e contaram, um ao outro, como é que eles tinham passado por baixo e nada tinha acontecido...
De repente Pêdra se levantou animada:
- Espere um pouco! A tia Edith disse que tinha que passar embaixo do arco-íris antes do meio-dia, não foi? Então, pra desvirar tem que ser depois do meio-dia, é ou não é?
- É mesmo! - disse Joano. - E tem mais uma coisa. Pra mudar de sexo nós passamos de lá pra cá, não foi? A gente vinha voltando da escola, não vinha? Pois agora a gente tem que passar daqui pra lá, pra desvirar.
Pêdra ficou olhando para Joano:
- Sabe que você é bem esperta para uma menina?
Joano respondeu:
- Você também é bem esperta... pra uma menina.
Os dois riram como há muito tempo não faziam. E juntos saíram á procura do arco-íris.
E de repente lá estava ele.
Grande, brilhante, colorido, como um desafio.
Joano e Pêdra deram-se as mãos.
E correram, juntos, em direção do arco-íris.
E finalmente perceberam que alguma coisa, novamente, tinha acontecido.
Então riram, se abraçaram e abraçados começaram a voltar para casa.
Então Joana viu uma tampinha de cerveja na calçada.
Correu e chutou a tampinha para Pedro.
Pedro devolveu e os dois foram jogando tampinha até em casa...

Após a leitura, sugerimos que o professor promova uma discussão entre os alunos sobre o texto lido, de forma que eles possam expressar o que acharam da história, como a entenderam, entre outros.
Além disso, neste momento, o professor poderá abordar as diferença s sócio-culturais atribuídas a cada gênero, de maneira que eles possam compreender que tais concepções foram criadas pela sociedade e se modificam de acordo com os costumes sociais de cada época
Feito isto, sugerimos que o professor peça para os alunos, em grupos, escreverem uma história tendo como tema central a questão de gênero, visando trabalhar os papéis tidos como fixos ocupados por homens e mulheres.
Esta atividade pode contribuir para trabalhar, ainda, a escrita, a criatividade e criticidade dos alunos.
Avaliação
Os alunos deverão ser avaliados em todos os momentos, principalmente antes da efetuação das atividades (apresentação do recurso e pesquisas sobre o tema) e depois destas.
Isto é importante para que o professor possa perceber se houve mudança de postura, isto é, se com a participação nas aulas os alunos puderam construir maiores conhecimentos acerca do tema proposto e, em especial, se quebraram alguns preconceitos, como, por exemplo, que algumas tarefas cotidianas, como varrer a casa, lavar louça, entre outras, podem ser realizadas também por homens.




Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios