BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2016
7 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

sexta-feira, junho 22, 2012

A menina e a pantera negra> Rubem Alves> Literatura >Bullying>22/06/12


Literatura Infantil
Linguagem recomenda
A menina e a pantera negra
Rubem Alves


A menina e a pantera negra

Uma menina me pediu que lhe interpretasse um sonho: vira uma pantera negra dentro de casa e estava com medo.
Pude escrever a história porque eu também vira a mesma pantera e também tivera medo.
Todos, se prestarem atenção e houver bastante silêncio, pelas noites, ouvirão os seus rugidos discretos e sentirão um calafrio pela espinha.
Ela mora em nosso mundo interior e freqüenta as nossas sombras.
É o nosso lado negro.
Os seus nomes são muitos, há um tempo fascinantes e amedrontadores.
 Porque a Pantera Negra é bela e terrível... mas há também a menina, Bianca, luminosa, diurna, sem sombras...
A Pantera Negra, sem a Menina, é selvagem e mortal.
A Menina, sem a Pantera, é fraca e ingênua.
É preciso que se tornem amigas.
 Reconciliação dos opostos: O Branco e o Negro, o Amor e a Força, a Vida e a Morte, Yin e Yang.
(O autor)

Esta história aborda a relação de cada um com seu lado mais obscuro.
Leia com olhos de adulto, imaginando com a mente (conectada ao coração) de criança e simplemente deixe a mensagem transitar no seu inconsciente.

A menina abriu a janela (seu nome era Bianca) e ela estava lá, deitada à sombra da figueira secular: uma pantera negra. Quieta, absolutamente tranqüila, pêlo reluzente. Apenas a cauda se mexia ritmicamente.
Seus olhos, profundos e terríveis, olharam a menina. E foi então que o felino a chamou pelo nome: Bianca...
Havia quase ternura em sua voz, mas a menina, aterrorizada, fugiu. Não tanto por medo da pantera, mas por medo do seu chamado. Bianca... Era como se ela já a conhecesse de longa data e estivesse voltando para um reencontro.
A menina correu para o pai. Para quem mais correria, num momento como esse?
- Papai, eu vi uma pantera negra. Deitada debaixo da figueira. E me chamou pelo nome...
Havia muito medo em sua voz. Seu pai não se assustou. Sabia que as panteras negras não aparecem assim, no quintal das casas. Panteras são animais que vivem longe, muito longe, nas matas.
- Acho que você teve um pesadelo, minha filha. Não há panteras negras por aqui. Sonho ruim na hora de acordar...
- Não, não – disse ela. Sei que não foi. Por favor, venha! – e puxou o pai pela mão.
Ele a acompanhou até a janela do quarto, para tranqüilizá-la. E, de fato, nada havia sob a figueira. Estava como sempre...
- Eu não lhe disse? Não há panteras por aqui – Sua voz era sábia e tranqüila. Tudo voltou ao normal. Bianca acreditou que tudo não passara de uma visão. Algumas pessoas vêem santos dos céus, e são beatificadas. Outras vêem feras selvagens das florestas e são aterrorizadas. Mas ela não conseguiu esquecer a forma como a chamara: Bianca...
No dia seguinte, já se esquecera de tudo. E, como sempre, abriu a janela que dava para a figueira. E lá estava de novo.
- Bianca... – repetiu, desta vez com um pouco mais de força. A menina correu para o pai.
- Venha, venha depressa...
Desta vez, ela não fugiu. Ficou lá, tranqüilamente. O pai correu para o seu rifle, mirou a pantera e atirou. Mas nada aconteceu...
A pantera levantou-se, sem pressa, e retirou-se vagarosamente, movimentando a cauda.
- Faremos tudo para espantar esse animal que está assustando minha filha. E assim penduraram nas árvores e cercas guizos, sinos e latas, pois animais da selva se assustam com ruídos diferentes. Acenderam fogueiras ao redor da casa, pois eles temem o fogo. E encheram o quintal de pessoas, já que eles fogem dos homens (por horror ao cheiro doméstico).
Era uma complexa rede de defesas, montada para afugentar a pantera que assustara a criança com seu chamado. – Bianca... – A pantera desapareceu. Não mais aparecia sob a figueira, pelas manhãs. Durante todo o dia, era como se não existisse. Mas logo que caía a noite os seus rugidos começavam a ser ouvidos, e ora pareciam ferozes, ora tristes, como se lamentassem algo.
Por vezes ouviam-se ruídos nas portas, patas arranhando, e pela manhã sinais de garras podiam ser vistos na madeira. Se algo assim acontecia durante a noite, e o pai de rifle em punho abria a porta, pronto para atirar e matar, não se via coisa alguma.
Lá fora tudo estava tranqüilo, as sombras das árvores, o ruído do vento. Depois de muito tempo, convenceram-se de que a pantera negra deveria ser um ser mágico, que nenhuma bala poderia matar e nenhuma armadilha prender.
Acontece que por ali havia um sábio (muitos o consideravam feiticeiro), conhecedor das coisas misteriosas do dia e da noite, da vida e da morte. E resolveram consultá-lo.
- Entendo o seu medo – disse ele a Bianca – Tudo o que se desconhece é terrível. E de forma especial a pantera negra. Por um lado, é tão linda e segura de si, pêlo macio e brilhante, que seria bom agradar. Mas é também coisa selvagem, que ataca de repente, filha da noite, carregando a morte nos dentes e garras.
- Que devemos fazer para nos livrar dela? – perguntou o pai de Bianca, ansioso por uma receita.
- Nada – respondeu o sábio. As panteras só conseguem falar quando estão amando. Ela está amando você, Bianca. E não a abandonará por nada neste mundo. Ela a escolheu. Agora é sua.
- Mas não a quero – disse a menina em desespero. Que é que posso fazer com uma pantera? Desejo mesmo é me livrar dela.
- Isto é impossível, respondeu o feiticeiro. Você só tem duas alternativas: ou a deixa de fora, e ela continuará a assombrar o seu sono durante a noite, ou você deixa que ela entre, e ela se tornará sua amiga...
- Mas como posso fazer isso? – perguntou Bianca.
- É simples. As panteras selvagens são domadas quando aprendemos a dizer seu nome. Descubra o seu nome e chame-o durante a noite. Ela virá...
- Mas como descobrir o nome da pantera? –perguntou Bianca.
- Isto eu não sei – respondeu o sábio. Você terá de descobrir por conta própria...
Com estas palavras, deu por encerrada a conversa. Bianca e seu pai voltaram perplexos para casa. Parecia coisa impossível e louca a tarefa que o sábio lhes dera: descobrir o nome da pantera. Consultaram domadores de animais, escreveram para jardins zoológicos, examinaram livros especializados, colecionaram dezenas de nomes. Tudo em vão. A pantera não atendia.
- É porque nenhum destes é o nome da pantera – disse-lhes o sábio, numa outra ocasião. São os nomes que os homens lhe deram. É preciso aprender o nome dela, que mora no seu corpo...
Naquela noite Bianca sonhou. A pantera estava lá, debaixo da figueira. Olhava para a menina e lhe dizia:
- Meu nome é o inverso do seu... E desapareceu.
Esta, pelo menos, era uma pista: o inverso do nome de Bianca. Brincou de inverter as letras, para ver se significavam algo. Leu o seu nome refletido no espelho. Investigou as razões pelas quais lhe haviam dado este nome.
- É porque você, ao nascer, era branca, muito branca, como a Branca de Neve. E assim, a batizamos de Bianca.
Mas tudo era inútil. O enigma continuava.
- Meu nome é o inverso do seu...
Aconteceu, entretanto, que houve uma noite em que Bianca e seu pai olhavam velhos retratos. Em um envelope estavam os negativos. Bianca tomou um deles e observou contra a luz. Era ela, não havia dúvidas.
- Que gozado, papai – disse ela. No negativo meu rosto está preto. É o inverso...
Subitamente ela parou, olhando no vazio, como se houvesse viso algo inesperado. E gritou:
- É isto, o inverso... O negativo é o inverso. O inverso do meu nome – Bianca, branca, é negro. O nome da pantera deve ser Negra, o meu lado noturno. Não é assim? Luz e escuridão, dia e noite, Bianca e Negra...
Exultante, num misto de alegria e medo correu para a porta, abriu-a para as sombras das árvores e o ruído do vento e disse:
- Negra, Negra...
Ouviu-se um leve barulho nas folhas do jardim e a pantera Negra se aproximou, tranqüila como sempre. Lambeu as mãos da menina e deitou aos seus pés. E quando Bianca acariciou o pêlo negro da pantera adormecida sentiu uma enorme sensação de felicidade. Nunca mais teria medo. Quem tem a pantera Negra como amiga não precisa temer mais nada.

http://contospontocomlcb.blogspot.com.br/2011/04/menina-e-pantera-negra.html

Linguagem sugere a história abaixo como complemento e
 também como abordagem ao  tema bullying

Ecos da vida
Coleção pequenas lições
Editora Soler

O autor nos leva a um grande aprendizado, a de que tudo o que fazemos na vida, mais cedo ou mais tarde, retorna para nós mesmos.
Este ensinamento é de suma importância quando falamos em combate ao bullying.
O espectador, aquele que assiste a cena de bullying, tem que ter claro que quando ele toma posição, quando ele diz para o agressor: “eu não concordo com o que você faz” ou diz para a vítima: “estou aqui para ajudar”, com certeza esta ação terá ecos na vida desta pessoa. Ela se posicionou e assumiu o bem. (http://marcosliba.com.br/?p=418)

Livro aqui:




Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios